13/06/2022 às 13:43

Nunca diga "nunca".

1
2min de leitura

Quando decidi encarar essa maravilhosa carreira de fotógrafo, uma coisa eu tinha em mente: "Não quero ser fotógrafo de casamento".

Vou me dedicar a fotografia feminina, aos retratos corporativos e nas histórias que essas pessoas me contariam entre um clique e outro.

E isso em minha mente era quase um mantra, uma reza, uma meta de vida.

Era assim até receber uma mensagem do meu caro amigo Dysrael, o "Dysra", como carinhosamente o chamo.

E a mensagem era mais ou menos essa:

"Marcão... Vou me casar no dia 20 de abril (véspera do feriado), e queremos que você fotografe nosso casamento."

Na real, quem cogitou meu nome foi a Edineia (a noiva), que falou ao Dysra que queria "aquele teu amigo que faz aquelas fotos do "Cotidiano", das pessoas nas ruas".

Bem! O amigo era eu!!

Na hora falei ao Dysra que meu foco não era casamento e (sinceridade acima de tudo), e que nunca havia fotografado uma cerimônia de casamento.

Mas mesmo assim ele insistiu e marcamos um café para ouvir o que eles queriam e ver se eu, com a experiência zero em casamentos, poderia no mínimo atender as expectativas.

No dia do encontro lá estava o casal, que me passou todas as informações: Uma cerimônia simples, com no máximo 50 pessoas, no final de tarde, no Memorial Attilio Fontana e etc e tal

Voltei do nosso café com aquelas "borboletas no estômago" porque eu disse "aceito".

Bom, o resto é história registrada.

Aproveitamos o fim de tarde do dia do "sim" para fazer algumas fotos do casal antes da cerimônia, bem como registrar a linda Maria Flor, filha da Edi (já tinha "garrado" intimidade), e do Dysra.

Uma coisa bem importante de se dizer é que, em nossa conversa, o Dysra comentou que com o flash, a tendencia dele era aparecer nos cliques de olhos fechados, coisa que confirmei de cara, já nos primeiros cliques.

Decisão: Fotografe a cerimônia com a luz ambiente e "pnc"do ISO. kkkkk

Resumindo: Foram cinco horas de muita alegria, emoção, diversão e dedo nervoso, pois foram muiiiiiiiitos cliques.

Outra coisa legal de se dizer é que minha mulher, que me acompanha nos ensaios femininos e corporativos na maioria das vezes, fez o papel de segunda câmera pela primeira vez na vida e logo de cara, jogada na fornalha de um casamento. E ela se saiu bem demais.

E pra finalizar toda essa conversa, uma coisa que a vida nos ensina é "nunca dizer nunca".

Obrigado Edi & Dysra pela coragem (acima de tudo), confiança e amizade.

Foi um prazer imenso e uma experiência maravilhosa poder realizar a cobertura de meu primeiro casamento.

E que bom que foi com vocês!!


13 Jun 2022

Nunca diga "nunca".

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

casamento casamento em concórdia Edineia & Dysrael foto fotografia fotografia de casamento

Quem viu também curtiu

14 de Ago de 2020

Em 2020 fui mãe de onze.

01 de Jul de 2021

Alegria é que se diz?

05 de Mar de 2021

O que sua imagem de perfil nas redes sociais diz sobre você?

Olá! Muito bom ter você aqui. Estou a sua disposição. É só chamar.
Logo do Whatsapp